Nos nossos grupos a Páscoa foi assim…

A PJ Nossa Senhora da Luz fez uma rifa para arrecadar dinheiro para custear a encenação da Paixão de Cristo. Tudo o que tinha na cesta foi doado pelos próprios integrantes do grupo. O sucesso foi tanto que duas cestas puderam ser montadas. A primeira ficou com Davino Henrard (pai do Douglas, do JUCAC) e a segunda com Andressa Miranda, do JUCAC.

A PJ Nossa Senhora da Luz fez uma rifa para levantar fundos para a encenação do Auto da Paixão de Cristo na Vila C. Todos os produtos da cesta foram doados pelos próprios integrantes do grupo, e o sucesso foi tão grande que duas cestas foram montadas. A primeira ficou com Davino Henrard (pai do Douglas, do JUCAC, e a segunda com Andressa Miranda, do JUCAC.

Para cobrir os gastos com a encenação do Auto da Paixão de Cristo, o JUPF também rifou duas cestas de páscoa. A primeira foi para o pequeno Wallace...

Para cobrir os gastos com a encenação, o JUPF também rifou duas cestas de páscoa. A primeira foi para o pequeno Wallace…

e a segunda para a Dona Didi.

e a segunda para a Dona Didi.

No JUFEC, todas as rifas de uma cesta de foram vendidas durante a Macarronada da comunidade. O prêmio foi entregue no mesmo dia.

O JUFEC rifou uma cesta de Páscoa durante a Macarronada da comunidade.

No JUEC, o grupo montou kits da Páscoa para as crianças da comunidade...

Como você já viu aqui, o JUEC montou kits da Páscoa para as crianças da comunidade…

juec

Além disso, ministrou uma pequena palestra explicando os símbolos da data.

Durante o período, o FAV fez uma visita ao Lar dos Velhinhos...

Durante o período, o FAV fez uma visita ao Lar dos Velhinhos…

Em companhia com o grupo JLJ, realizou uma via-sacra até a Ermida da Catedral de Nossa Senhora de Guadalupe, na Vila A...

Em companhia com o grupo JLJ, realizou uma via-sacra até a Ermida da Catedral de Nossa Senhora de Guadalupe, na Vila A…

e ainda rifou uma cesta de Páscoa. A premiada foi a Micália Bolzon.

e ainda rifou uma cesta de Páscoa. A premiada foi a Micália Bolzon.

No JUCASFA, quem venceu a rifa a Cesta foi o Sr. Luiz...

No JUCASFA, quem venceu a rifa a Cesta foi o Sr. Luiz… E aí embaixo está o vídeo para provar a seriedade do processo! 😀

Anúncios

PAIXÃO DE CRISTO: Jovens do Jardim Califórnia se preparam para interpretar Jesus e Maria

Jovens após a encenação do Auto da Paixão de Cristo 2012, no Jd. Califórnia.

Jovens após a encenação do Auto da Paixão de Cristo 2012, no Jd. Califórnia.

Na encenação da Paixão de Cristo, da Comunidade Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Califórnia, Cléverson de Assis Ferreira e Helena Bortolini ficaram encarregados de interpretar Jesus Cristo e Maria. Veja a expectativa da dupla:

Cléverson Ferreira, do JUPF

Cléverson Ferreira, do JUPF

Quando surgiu o primeiro convite para interpretar Jesus Cristo? Como foi a primeira reação?

Na verdade eu interpretei outros papéis e sempre tinha medo de assumir esta responsabilidade. No ano passado resolvi encarar o desafio e me ofereci para este papel.

Qual a cena considera mais marcante?

A crucificação. A hora que Jesus está se compadecendo do povo e se entrega para Deus falando realmente que a sua missão foi cumprida.

Helena Bortolini, do JUPF

Helena Bortolini, do JUPF

Quando surgiu o primeiro convite para interpretar Maria? Como foi a primeira reação?

No ano passado. A sensação foi de emoção, mas também de muito medo, de ter um papel tão importante. É um compromisso.

Qual a cena que considera mais marcante?

A última, quando Jesus dá o seu último adeus a seu filho e o beija.

Que MÚSICA te lembra o Auto da Paixão de Cristo?

Monique Neckel, do grupo JADAS

Humano amor de Deus

“Nada mais demostra amor do que a Paixão de Cristo que se fez humano e demostrou seu grande amor na cruz”

Eduardo Lima, do grupo JLJ

Eduardo Lima, do grupo JLJ

Via Dolorosa

“Acho que nos faz lembrar um pouco mais sobre o caminho que Jesus percorreu até ser crucificado e refletir sobre o nosso verdadeiro Herói”.

Thais de Souza, do grupo JAC

Thais de Souza, do grupo JAC

Por amor

“Acho que explica um pouco que foi por amor que Ele fez isso pela gente, que Ele fez isso pra salvar. Que mesmo nós não dando valor a essa proeza, Ele fez mesmo assim… Que essa foi a missão dele.”

Thaisa del Rios, da PJ Guadalupe

Thaisa del Rios, da PJ Guadalupe

Um certo Galileu

“Porque ela mostra a agressividade contra toda doçura que era Jesus… Quando aquela música toca eu me lembro que eu também faço um julgamento com Cristo muitas vezes e em troca ele continua me cedendo afago”.

Jean Colombari, do JLJ

Jean Colombari, do JLJ

Diário de Maria

“Primeiramente essa foi umas das musicas que me marcaram em minha primeira encenação do Auto da Paixão, pois em questão de segundos conta a trajetória de Jesus, “narrada” pela única pessoa que O acompanhou desde a sua concepção até o momento de sua crucificação. Nenhuma mãe esta preparada para passar pelo o que ela passou, ver seu único filho ser julgado, açoitado, chagado e crucificado. E também podemos ver como foi a Paixão de Cristo pelos olhos dela.”

Paulo Roberto "Carioca", do SPC

Paulo Roberto “Carioca”, do SPC

Espelhos Mágicos

Essa música demonstra de maneira simples mas graciosa o quão nós somos pequenos e mesquinhos, individualistas e ambiciosos, diante da imensidão do amor de Cristo/Deus…que “nasceu, sofreu e morreu por nós”… Acho que o intuito maior dessa pequena obra fonográfica é despertar no coração de nossos jovens, velhos e crianças esse sentimento valorizar o que Cristo fez por todos!

Hércules de Oliveira Souza, do FAV

Hércules de Oliveira Souza, do FAV

Já estou Crucificado

Essa música me fez um chamado para caminhar nos caminhos da Igreja. Antes de fazer parte de celebrações eucarísticas, eu tocava em festas e um dia fui apresentar um grupo. Era época de quaresma e, após tocar esta canção percebi que muitas pessoas estavam chorando e eu também não contive o choro. Percebi ali o quão é maravilhoso andar nos caminhos de cristo desde sempre estou e estarie.. anunciando o evangelho através da música.”

PAIXÃO DE CRISTO: “Deixo Maria me guiar”

Ana Cláudia, da PJ Guadalupe

Pela segunda vez, Ana Cláudia Carvalho, da PJ Guadalupe, irá interpretar Maria no Auto da Paixão de Cristo.

Quando surgiu o primeiro convite para interpretar Maria? Como foi a primeira reação?

O primeiro convite para interpretar Maria surgiu em 2010, o primeiro ano em que o Auto da Paixão foi realizado na Catedral Nossa Senhora de Guadalupe. Como era a primeira vez que a encenação aconteceria, a Pastoral da Juventude não tinha alguém em vista para interpretar Maria e perguntou a todas as jovens presentes em um dos ensaios quem gostaria de fazer o papel.

Foi então que algumas pessoas me apontaram e me incentivaram a aceitar, pois eu mesma não me ofereceria para tal, pois achava muito difícil. Depois veio a pergunta por parte da Pastoral da Juventude: “Pode ser você Ana? Você aceita?” E eu respondi que sim, mas no fundo estava com um pouco de medo, pois é um papel que traz uma grande responsabilidade.

Como é fazer este papel tão importante?

Apesar da personagem não ter muitas falas durante a encenação, interpretar Maria requer além de muito ensaio, muita oração e entrega, pois a mesma tem uma forte presença durante todo o caminho do Calvário e representar a dor de uma mãe vendo o filho entregando a sua vida não é uma tarefa fácil. Fazer o papel de Maria vai muito além de encenar, é preciso viver e sentir a Paixão de Cristo, para poder passar emoção para as pessoas que estão assistindo. Acredito que esta foi uma missão muito abençoada que Deus me deu, e apesar de não ser fácil, a mim é uma honra poder cumpri-la, pois Maria é exemplo de fé e de um amor imenso, capaz de suportar tudo para que seja feita a vontade de Deus.

Qual cena acha mais marcante?

A cena que mais me emociona é o momento em que Jesus é descido da cruz e colocado no colo de Maria. E sinto que é a cena mais emocionante também para o público. É um momento inexplicável, em que eu não vejo nada nem ninguém à minha frente, apenas sinto o vento bater em meu rosto, e é como se eu estivesse lá em Jerusalém, no Calvário. Apesar de ser impossível mensurar tamanha dor de nossa Santa Mãe nessa hora, a emoção flui naturalmente, e chego a nem me preocupar com o texto final, apenas deixo Maria me guiar e fazer com que eu expresse da melhor maneira o sentimento dela nesse momento.

PAIXÃO DE CRISTO: “O prazer de representar Maria é inexplicável, incrível, emocionante”

Ludi Calazans, do JUCAC, pela primeira vez interpretará Maria na encenação da Paixão de Cristo (PJ NSL)

Ludi Calazans, do JUCAC, pela primeira vez interpretará Maria na encenação da Paixão de Cristo (PJ NSL)

Ludi Calazans, do JUCAC

Ludi Calazans, do JUCAC

Quando surgiu o primeiro convite para interpretar Maria? Como foi a primeira reação?

O primeiro convite surgiu no encerramento da Paixão do ano passado, quando o ex-coordenador do JUCAC me viu chorando de emoção por ter dado tudo certo (pois passamos por muitas dificuldades e provações para conseguir fazer acontecer a Paixão de Cristo 2012).

Ele veio e me disse: “No ano que vem você será Maria”.Na hora não tive reação, nem caiu a ficha porque meu coração estava a mil, adrenalina pura. Então este ano, o atual coordenador me chamou e disse que também tinha essa vontade, de me ver encenando Maria, o que para mim é uma grande honra. Adorei o convite e sem nem pensar duas vezes aceitei.

Como é interpretar este papel tão importante?

As dificuldades são psicológicas. Tive que trabalhar muito meu interior para poder demonstrar o real sentimento de uma mãe, o que para mim não foi tão trabalhoso assim pelo fato de eu ter um filho e já atuar na realidade o papel de mãe. Lógico que ser Mãe do Maior Homem que já teve em toda a história é muito diferente, então trabalhei aquele sentimento de ver meu filho sofrendo tudo aquilo.

O prazer de representar Maria é inexplicável, incrível, emocionante. É realmente uma honra, meu coração está em festa. Ainda mais eu, que sempre fui devota da Mãezinha do Céu.

Qual a cena que considera mais marcante?

Minha cena preferida é na 4ª estação, quando Jesus encontra a sua Mãe. Aquela troca de olhares, cheio de dor e amor, é em meio à flagelação. Ele está sofrendo muito e ela o dobro. Pra mim a emoção ali vai a mil, eu acho incrível. E ter o Douglas como Jesus me dá uma força enorme, porque sinto um carinho enorme por ele e é fácil transformá-lo em meu filho (risos)!

PAIXÃO DE CRISTO: No Jardim Califórnia, encenação é por conta do JUPF

No Jardim Califórnia, encenação já é realizada desde 1999.

No Jardim Califórnia, encenação já é realizada desde 1999.

Além das encenações das PJ’s Bom Jesus do Migrante, Guadalupe e Nossa Senhora da Luz, o grupo de jovens JUPF é responsável pelo Auto da Paixão de Cristo na Comunidade Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Califórnia. Cerca de 40 pessoas estão envolvidas no trabalho, iniciado no dia 23 de fevereiro.

A encenação já é tradição na comunidade há mais de 10 anos e é realizada em procissão pelo bairro. Brahian Rodrigues, que faz parte da coordenação do grupo, nos contou alguns detalhes dos preparativos.

Brahian, do JUPF

Eu me sinto extremamente orgulhoso. É extremamente trabalhoso e cansativo, mais trabalhar pra Cristo vale muito a pena. A expectativa para esse ano é a melhor possível, estamos trabalhando para realizar nossa melhor encenação de todos os tempos. Trabalhamos pra nos superarmos em tudo

Neste ano, vários participantes do grupo debutam como personagens importantes, já que até o ano passado muitos papéis eram interpretados por pessoas mais antigas. Neste ano, 99% são participantes atuais do grupo.

Outra inovação é que neste ano alguns apóstolos serão interpretados por meninas, inclusive Judas, já que no JUPF são poucos meninos e tivemos que.nos adaptar a essa realidade.

PAIXÃO DE CRISTO: “Foi um ápice em todas as minhas ações como cristão”

Guilherme Simion, do grupo JUJA

Guilherme Simion, do grupo JUJA: pela segunda vez terá o papel de Jesus Cristo no Auto da Paixão de Cristo – BJM.

– Quando surgiu o primeiro convite para interpretar Jesus Cristo? Como foi a primeira reação?

Foi durante uma reunião sobre a Quaresma: Penitência, Oração e Caridade, que eu estava dando no JUJA. O pssoal da PJ BJM chegou e permaneceu até o final do encontro. Logo após os recados finais eles me convidaram. As primeiras reações foram de alegrias imensas, por poder viver esta experiência nova, a vivência de Jesus Cristo, alguém de quem falamos tanto em encontros com os grupos, alguém que fez tanto por nós, contudo. Após isso, lembrei de que minha mãe iria viajar no período que seria apresentada a Paixão de Cristo e isso me entristeceu imensamente, afinal, ao passar por toda a Via Sacra, Jesus teve sua mãe por perto, e eu não teria a minha. Entretanto, apesar da distância que nos separou, sei que ela estava rezando por mim, para que tudo desce certo.

– Como é interpretar este papel tão importante? 

Interpretar Jesus na Paixão de Cristo é uma honra inigualável! Foi um ápice em todas as minhas ações como cristão pertencente a um grupo de jovens! Sem contar, é claro, todo o desenvolvimento do “teatro”, todas as amizades, todas as orações e toda preparação espiritual de todos os colaboradores, culminaram em um ato tão espetacular! A maior dificuldade de ter tal papel é a responsabilidade! Quando me escolheram, eu acreditava que eu não merecia tal responsabilidade, contudo, fui trabalhando em mim, todas as qualidades que Jesus tinha, li os livros do Evangelho para conhecer um pouco mais da vida dele, dentre outras coisas, afim de me achar responsável o suficiente para ter esta vivência tão linda.

– Qual a cena considera mais marcante? 

Minha cena preferida foi quando Maria é retirada, pelos guardas, de perto de Jesus, pois esta cena me fez lembrar muito a situação que eu vivia no momento (sem minha mãe por perto).